Postado em 10 de Janeiro às 11h25

Deputados federais do PSL pedem a destituição da Executiva em SC

Entre as principais razões para a mudança os parlamentares relacionam a decisão de Esmeraldino de nomear uma nova Comissão Executiva Estadual, no final de 2018, sem ouvir as bases do partido, e de estar se distanciado das lideranças municipais. 

Brasília - Documento assinado por três dos quatro deputados federais eleitos pelo PSL em Santa Catarina está requerendo ao presidente nacional do partido, Luciano Bivar, a destituição da Executiva em Santa Catarina, presidida por Lucas Esmeraldino, atual Secretário do Desenvolvimento Econômico Sustentável do governo Carlos Moisés da Silva.


Entre as principais razões para a mudança os parlamentares relacionam a decisão de Esmeraldino de nomear uma nova Comissão Executiva Estadual, no final de 2018, sem ouvir as bases do partido, e de estar se distanciado das lideranças municipais. Alegam, ainda, que, assumindo cargo no primeiro escalão do novo governo, Lucas Esmeraldino está impedido de comandar o PSL em Santa Catarina.


Os três deputados reiteram apoio ao governo Moisés e indicam uma nova Executiva à Executiva Nacional. Ela teria na presidência a deputada federal diplomada Caroline De Toni, como vice o deputado federal diplomado Luiz Armando Schroeder Reis e como secretário-geral o deputado federal diplomado Daniel Costa de Freitas.


Veja a íntegra do requerimento:
“Diante dos mais recentes acontecimentos envolvendo a direção e a condução do PSL em Santa Catarina, os deputados federais eleitos que subscrevem, depois de ouvir o clamor da base da sigla e também de militantes pró-Bolsonaro, manifestam discordância e estranheza acerca de alguns fatos.


Os parlamentares discordam veementemente da forma como foi “definida” a nova executiva estadual do PSL. No apagar das luzes de 2018, sem critérios, sem diálogo e de forma personalista. Os nomes foram escolhidos pelo presidente estadual da sigla, de forma unilateral.


Um líder partidário deve dialogar com a base para que disponha de legitimidade e, assim, tenha capacidade de mobilização da militância, de lideranças regionais e de eleitos. Isso não está acontecendo. Muito embora reafirmamos total apoio ao governador Carlos Moisés da Silva, eleito com a maior votação da história de Santa Catarina, os parlamentares não concordam a exclusão da base das decisões do rumo do PSL catarinense.


O grupo entende que os eleitos, suplentes, filiados e militantes precisam estar sintonizados com o projeto partidário claro e abrangente, projeto que este que precisa estar sintonizado com o Presidente da República, Jair Bolsonaro.
Ademais, o atual presidente estadual do PSL assumiu uma Secretaria importante no novo governo estadual e dificilmente conseguirá dedicar o tempo que a administração do partido merece e necessita neste momento tão delicado de transição política no Estado e no país.


Diante do exposto, e também de outras questões internas que ameaçam a estabilidade e o futuro do PSL catarinense, na forma como fora concebido, os deputados e líderes aqui nominados solicitam a imediata substituição da comissão provisória estadual de Santa Catarina, a ser composta da seguinte maneira:


Presidente: Caroline Rodrigues De Toni Vice-Presidente: Luiz Armando Schroeder Reis Secretário-geral: Daniel Costa de Freitas Primeiro-Secretário: Suelen Lara dos Santos Tesoureiro-Geral: José Carlos Carvalho Lucas Primeiro-tesoureiro: João Vitor dos Santos Cechinel Vogal: Edgar Lopes Vogal: Julia Zanatta Vogal: Júlio Cesar Lopes Vogal: Marcelo Marcel Franco José da Silva Vogal: Rutinéia Rossi.


Por fim, os deputados federais eleitos abaixo assinados ficam à disposição para fornecer o rol completo de documentos dos novos membros integrantes da executiva estadual provisória do PSL-SC.


Termos em que pedem deferimento. Brasília-DF, 9 de janeiro de 2019.”

 

(fonte: Moacir Pereira/NSC)

Veja também

Voltar para Cidades