Santa Catarina dá início à colheita do arroz com lançamento de novo cultivar

Segundo maior produtor nacional de arroz, Santa Catarina abre a colheita do grão com o lançamento de novo cultivar. É o SCS 125 da Epagri, que foi apresentado aos produtores nesta sexta-feira, 19, durante o Dia de Campo da Cooperativa Regional Agropecuária Vale do Itajaí (Cravil), em Rio do Sul. O evento contou com a presença do secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, e fez parte também das comemorações de 50 anos da Cravil.

"A abertura da colheita do arroz representa um marco para o agronegócio catarinense, um dia a ser celebrado. É o resultado de um trabalho coletivo que envolve produtores rurais, cooperativas, Governo do Estado e nossos técnicos e pesquisadores da Epagri. Comemoramos ainda o lançamento de um novo cultivar de arroz irrigado com características de alto índice de produtividade, que foram observadas já nas primeiras colheitas. Isso demonstra que o setor produtivo vem inovando, buscando novas tecnologias e aumentando cada vez mais a qualidade e produtividade em nossas lavouras", destaca o secretário Altair Silva.



O SCS 125 é 33º cultivar lançado em Santa Catarina e foi desenvolvido pela Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) - referência nacional em pesquisa pública com o grão. Entre as principais características deste arroz estão o alto potencial produtivo, boa qualidade de grãos, ciclo longo (tardio), resistência ao acamamento e bom nível de sanidade geral.

Segundo a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, o lançamento é mais uma prova da excelência catarinense nas pesquisas voltadas à cadeia produtiva de arroz. “Tanto esse, quanto nossos outros cultivares do grão, foram desenvolvidos pensando nas necessidades dos rizicultores catarinenses e buscam oferecer mais produtividade e sustentabilidade nas lavouras. O resultado desse trabalho se vê no campo, com Santa Catarina se firmando cada vez mais como um dos maiores produtores de arroz do Brasil”, declara.

Sanidade como diferencial produtivo

O engenheiro agrônomo da Agrogiusti, Edivani E. Coelho, já começou a plantar o SCS125 nos campos da empresa produtora de sementes de arroz e os resultados são promissores. A sanidade é um dos destaques.

De acordo com o engenheiro agrônomo, mesmo com condições climáticas favoráveis ao surgimento de doenças, com dias nublados e chuvosos, o material manteve a qualidade em relação a outros cultivares produzidos na empresa “A avaliação do desempenho do cultivar até o momento é muito boa, estamos muito satisfeitos, a expectativa é boa com relação à produtividade, sanidade e qualidade da semente”, relata.

Safra de arroz em Santa Catarina

Santa Catarina espera colher 1,18 milhão de toneladas de arroz nesta safra em 7,9 mil hectares plantados. A produção está concentrada na região de Araranguá, principalmente nos municípios de Turvo e Meleiro.

O arroz se tornou ainda um importante item na pauta de exportações catarinense. Em 2020, os embarques aumentaram mais de 600% em relação ao ano anterior, totalizando US$20,4 milhões em faturamento e 48,2 mil toneladas vendidas. Os principais compradores do arroz produzido no estado foram África do Sul, Guatemala e Senegal.

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina Santa Catarina dá início à colheita do arroz com lançamento de novo cultivar Segundo maior produtor nacional de arroz, Santa Catarina abre a colheita do grão com o...
Postado em 20 de Março de 2019 às 10h49

Diretoria provisória assume gestão do Lar do Idoso de Xanxerê

Equipe ficará a frente dos trabalhos até a eleição de nova diretoria. 

Por Joimara S.Camilotti
Xanxerê – O Lar do Idoso do município conheceu na manhã desta quarta-feira (20) a diretoria provisória que irá realizar a gestão da instituição. Desde que foi assumido um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), a então diretoria que gerenciava o Lar, foi afastada e se iniciou um cronograma de ações a serem desenvolvidas.

Durante a quarta-feira, o promotor de justiça, Marcos Augusto Brandalise esteve participando de uma reunião no Lar, onde foi formada a nova gestão que deverá ficar a frente dos trabalhos pelo período de 30 dias, formada pela enfermeira Deise Jaqueline Nascimento, psicóloga Mônica Cristina Gazziero e a assistente social Silvia Maria Neckler.

“Estamos dando atenção ao cumprimento do TAC, no dia 18 já viemos verificar o afastamento do servidor, hoje é o prazo para entregarem as atas de anulação das eleições ocorridas no ano passado e também é um dia importante para o Lar, porque está tendo a troca de gestão”, comentou o promotor. 

Conforme Brandalise, a promotoria estará dando auxilio técnico a nova gestão, enquanto se realiza o processo eleitoral para que uma diretoria definitiva assuma. A expectativa é que em 30 dias isto ocorra, e o promotor enfatiza que assim que for definido o cronograma, as datas para as pessoas interessadas em se candidatar será amplamente divulgado. 

“O Conselho formado ainda está no prazo e estão trabalhando muito, logo vamos divulgar o cronograma, por enquanto é o cronograma do TAC, a gente quer sempre transparência nesse processo. Quem quiser participar precisa aguardar o cronograma e quando sair a data de inscrição vamos fazer uma ampla divulgação. Acreditamos que mais uma semana já devemos ter datas”, disse.

De acordo com a enfermeira Deise Nascimento, a equipe terá um grande trabalho pela frente a partir desta data, se inteirando na questão das contas e principalmente motivando a equipe para prestar um bom atendimento. Como está há mais de dois anos atuando no Lar, já é conhecedora da rotina e necessidades que deverá ser cumprida. 

“Vamos trabalhar em conjunto com o Conselho do Idoso, assistência social, prefeitura para a gente fazer o contrato com novo administrador e cuidar do lar e dos idosos até essa nova diretoria assumir. Também estamos com as mãos atadas, vamos pegar o barco andando, a gente vai começar do zero. Foi privado muita coisa dos idosos e agora o direito deles vai ser preservado”.

A frente do Lar do Idoso, desde sua criação, Dionete Rech aguarda para saber qual função lhe caberá na instituição, mas garante ter feito o que pode e que se sair fará o mesmo de cabeça erguida. 

“Hoje está sendo resolvido tudo, com tudo documentado, estamos entregando tudo conforme pedido. Foi uma experiencia de vida muito boa, um projeto meu, foram 11 anos de luta para construir, tudo feito com doações, porque não vem dinheiro de órgão nenhum, se saio ou não é de cabeça erguida, foram 16 anos de vida dedicado a outro tipo de vida”, finalizou.

(fotos – Aline Tonello/TSX)

Veja também

Voltar para Cidades