Postado em 22 de Abril de 2019 às 08h25

Quase 3 meses após tragédia, 32 barragens da Vale estão interditadas

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina Foto: REUTERS/Washington Alves/Direitos Reservados Passados quase três meses da tragédia de Brumadinho (MG), 32 barragens da mineradora Vale sediadas em...

Foto: REUTERS/Washington Alves/Direitos Reservados

Passados quase três meses da tragédia de Brumadinho (MG), 32 barragens da mineradora Vale sediadas em Minas Gerais estão com as atividades interditadas. A suspensão das operações destas estruturas tem ocorrido tanto por decisão da Justiça, como também da Agência Nacional de Mineração (ANM), da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) ou da própria mineradora.
A pedido da Agência Brasil, a Vale listou 30 estruturas que estão interditadas. Dessas, três estão na Mina Córrego do Feijão, onde também fica a barragem que se rompeu no dia 25 de janeiro. Além de Brumadinho, as estruturas com operações suspensas se situam nas cidades mineiras de Nova Lima, Ouro Preto, Itabirito, Itabira, Barão de Cocais, Rio Piracicaba e Mariana.
Outras duas barragens localizadas em Sabará (MG) - Galego e Dique da Pilha 1 - não apareceram na relação da Vale, mas são alvo de uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) publicada no dia 9 de abril. Foi determinada, entre outras medidas, a interrupção imediata de qualquer atividade que importe elevação e incremento de risco de rompimento nessas estruturas de contenção de rejeitos.
Questionada sobre a ausência das duas barragens na lista, a Vale informou que ainda não foi notificada da decisão e que adotará as medidas cabíveis quando tomar conhecimento de seu teor. "Importante destacar que a barragem Galego já estava inativa e possui declaração de condição de estabilidade, enquanto o Dique da Pilha 1 já foi descaracterizado", acrescentou a mineradora em nota.
Liminares do TJMG chegaram a atingir a barragem Laranjeiras e outras estruturas da Mina de Brucutu, a maior de Minas Gerais, situada no município de São Gonçalo do Rio Abaixo. Na semana passada, porém, a mineradora anunciou ter conseguido aval da Justiça para retomar as atividades.
A Vale não planeja voltar a operar em todas estruturas interditadas. Pelo menos nove delas estão em processo de descomissionamento, conforme anúncio feito cinco dias após a tragédia de Brumadinho. Além dessas nove, também está sendo descaracterizada a barragem que se rompeu. Todas elas são alteadas pelo método a montante.
Considerado menos seguro, o método de alteamento a montante está associado não apenas à ruptura em Brumadinho, como também em Mariana, no ano de 2015, quando 19 pessoas morreram após o vazamento de rejeitos em um complexo da mineradora Samarco, joint-venture da Vale e da anglo-australiana BHP Billiton. De acordo com a mineradora, o processo de descomissionamento deve ser concluído em aproximadamente 3 anos. (Agência Brasil)

Veja também

Bolsinhas entregues a pacientes de Vargeão facilitam na organização de medicamentos12/06/19 Implementadas há anos em Vargeão, uma nova remessa de bolsas organizadoras foi adquirida pelo Governo Municipal através da Secretaria de Saúde. Um total de cem novas bolsinhas com divisórias estão à disposição do Departamento de Assistência Farmacêutica para serem entregues aos vargeonenses. As necessaires possuem três......
Eleitos os melhores vinhos artesanais de Marema04/06/19 Um evento para escolher os melhores vinhos de Marema, ocorreu na noite da última sexta-feira (31). Estiveram reunidos no Centro de Múltiplo Uso, o Prefeito Adilson Barella e a Primeira Dama, Simone Barella; produtores rurais; os extensionistas......
Cordilheiraltenses "abraçam" nascente do Lajeado São José05/06/19 Coordenados pelo Consórcio Iberê e pela EPAGRI de Cordilheira Alta, Alunos de escolas do município e de Chapecó promoveram nesta semana o "abraço" simbólico à nascente principal do lajeado São......

Voltar para Cidades