Santa Catarina dá início à colheita do arroz com lançamento de novo cultivar

Segundo maior produtor nacional de arroz, Santa Catarina abre a colheita do grão com o lançamento de novo cultivar. É o SCS 125 da Epagri, que foi apresentado aos produtores nesta sexta-feira, 19, durante o Dia de Campo da Cooperativa Regional Agropecuária Vale do Itajaí (Cravil), em Rio do Sul. O evento contou com a presença do secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva, e fez parte também das comemorações de 50 anos da Cravil.

"A abertura da colheita do arroz representa um marco para o agronegócio catarinense, um dia a ser celebrado. É o resultado de um trabalho coletivo que envolve produtores rurais, cooperativas, Governo do Estado e nossos técnicos e pesquisadores da Epagri. Comemoramos ainda o lançamento de um novo cultivar de arroz irrigado com características de alto índice de produtividade, que foram observadas já nas primeiras colheitas. Isso demonstra que o setor produtivo vem inovando, buscando novas tecnologias e aumentando cada vez mais a qualidade e produtividade em nossas lavouras", destaca o secretário Altair Silva.



O SCS 125 é 33º cultivar lançado em Santa Catarina e foi desenvolvido pela Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) - referência nacional em pesquisa pública com o grão. Entre as principais características deste arroz estão o alto potencial produtivo, boa qualidade de grãos, ciclo longo (tardio), resistência ao acamamento e bom nível de sanidade geral.

Segundo a presidente da Epagri, Edilene Steinwandter, o lançamento é mais uma prova da excelência catarinense nas pesquisas voltadas à cadeia produtiva de arroz. “Tanto esse, quanto nossos outros cultivares do grão, foram desenvolvidos pensando nas necessidades dos rizicultores catarinenses e buscam oferecer mais produtividade e sustentabilidade nas lavouras. O resultado desse trabalho se vê no campo, com Santa Catarina se firmando cada vez mais como um dos maiores produtores de arroz do Brasil”, declara.

Sanidade como diferencial produtivo

O engenheiro agrônomo da Agrogiusti, Edivani E. Coelho, já começou a plantar o SCS125 nos campos da empresa produtora de sementes de arroz e os resultados são promissores. A sanidade é um dos destaques.

De acordo com o engenheiro agrônomo, mesmo com condições climáticas favoráveis ao surgimento de doenças, com dias nublados e chuvosos, o material manteve a qualidade em relação a outros cultivares produzidos na empresa “A avaliação do desempenho do cultivar até o momento é muito boa, estamos muito satisfeitos, a expectativa é boa com relação à produtividade, sanidade e qualidade da semente”, relata.

Safra de arroz em Santa Catarina

Santa Catarina espera colher 1,18 milhão de toneladas de arroz nesta safra em 7,9 mil hectares plantados. A produção está concentrada na região de Araranguá, principalmente nos municípios de Turvo e Meleiro.

O arroz se tornou ainda um importante item na pauta de exportações catarinense. Em 2020, os embarques aumentaram mais de 600% em relação ao ano anterior, totalizando US$20,4 milhões em faturamento e 48,2 mil toneladas vendidas. Os principais compradores do arroz produzido no estado foram África do Sul, Guatemala e Senegal.

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina Santa Catarina dá início à colheita do arroz com lançamento de novo cultivar Segundo maior produtor nacional de arroz, Santa Catarina abre a colheita do grão com o...
Postado em 03 de Setembro de 2019 às 09h44

Raiva pode ter causado morte de cavalo em Siderópolis

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina Foto: Siderópolis Noticias Um equino (cavalo) morreu na localidade de Jordão Alto, em Siderópolis. De acordo com o Departamento Regional da...

Foto: Siderópolis Noticias

Um equino (cavalo) morreu na localidade de Jordão Alto, em Siderópolis. De acordo com o Departamento Regional da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – Cidasc, o animal apresentou sintomas de raiva e marcas de morcego, porém, só é possível a confirmação da doença após o óbito, coletagem e análise do material, que segundo o Cidasc, sairá daqui aproximadamente 15 dias.

O Cidasc está orientando produtores rurais na região que façam a imunização dos animais contra a raiva. Outros cavalos já apareceram com marcas de morcego e sintomas de raiva na localidade de Jordão Alto.
“A cada três a cinco anos há casos de surtos de raiva de herbívoros (doença transmitida pelo morcego aos animais) na região. É importante vacinar o animal, porque vai impedir que a doença continue o ciclo e ocorra com essa frequência. A orientação é sempre vacinar contra a raiva. Não é uma vacina obrigatória, mas recomendamos que vacine. Ocorre que quando recebemos o resultado, aí se torna obrigatório em uma área de 12 quilômetros da área do foco”, disse a médica veterinária do Cidasc, Carla Zoche.

Saiba como se prevenir da Raiva
A raiva é uma doença transmissível que atinge mamíferos como cães, gatos, bois, cavalos, macacos, morcegos e também o homem, quando a saliva do animal infectado entra em contato com a pele ou mucosa por meio de mordida, arranhão ou lambedura do animal. O vírus ataca o sistema nervoso central, levando à morte após pouco tempo de evolução. A raiva não tem cura estabelecida (há apenas três casos de cura conhecidos no mundo, um deles no Brasil) e a única forma de prevenção é por meio da vacina.

O animal doente elimina o vírus da raiva pela saliva, por isso não devemos colocar a mão na boca de cavalos ou bovinos que estejam com dificuldade de locomoção e/ou salivação intensa. Usualmente, a doença é transmitida através da mordida do animal infectado, mas o simples contato entre saliva e feridas abertas, mucosas e arranhões também propaga o vírus.


Para ajudar no controle da raiva
– Vacine seu rebanho contra a raiva;
– Informe ao escritório da Cidasc mais próximo sempre que seus animais ficarem doentes e apresentarem dificuldade para caminhar, se alimentar, e/ou agressividade
– Caso seus animais tenham marcas de mordedura causada pelo morcego hematófago, comunique a Cidasc, mesmo que não estejam doentes;
– Avise ao médico veterinário da Cidasc se souber de algum local que possa abrigar morcegos hematófagos, tais como, cavernas; grutas; ocos de árvore; túneis; bueiros; passagem sob rodovias, cisternas e poços; casas e construções abandonadas.
 

Veja também

Departamento Municipal de Meio Ambiente realizará atividades no sábado em Xaxim11/06/19 Neste sábado (15), ainda em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, o Governo de Xaxim por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente e Departamento Municipal de Meio Ambiente realizará na Praça Frei Bruno, a partir das 9h30, diversas atividades de orientação e envolvimento da comunidade na preservação do meio ambiente. De acordo com a......
Feijoada escoteira: deliciosa e com apelo educacional05/06/19 Sábado, dia 08, é dia de Feijoada. Melhor ainda se for tradicional, com a qualidade e o sabor comprovados da feijoada do Grupo Escoteiro Áquila, de Xaxim. O evento, que neste ano é coordenador pelo pai de lobinho, Adriano......
Primeiro paciente com dengue em Xaxim recebeu tratamento e passa bem24/04/19 A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE-SC) confirmou nesta quarta-feira (24) o primeiro caso de dengue em Xaxim. Trata-se de um homem, de 41 anos, que teria contraído a doença no litoral do......

Voltar para Cidades