Postado em 19 de Março às 13h57

Decreto que isenta norte-americanos de visto pode aumentar em quatro vezes o volume de visitas ao Brasil, estima FecomercioSP

Segundo a Entidade, essa alta poderia gerar uma injeção de gastos extras de R$ 6,4 bilhões por ano; contudo, é preciso criar políticas públicas coerentes.

São Paulo - O decreto assinado pelo governo federal na tarde desta segunda-feira (18) que dispensa o visto de entrada no Brasil para turistas de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão é positivo para o País, avalia o Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União e entra em vigor no dia 17 de junho.

O acordo, firmado entre Brasil e Estados Unidos, a fim de isentar unilateralmente a necessidade de visto para os norte-americanos, era uma demanda antiga da Entidade e havia sido divulgada no ano passado aos candidatos à presidência. Segundo o Ministério do Turismo, em 2017, 478 mil turistas americanos entraram em território nacional. No mesmo ano, no Peru, país também distante dos Estados Unidos e com 32 milhões de habitantes (15% da população brasileira), 15% do tamanho do Brasil e que não exige visto aos americanos, entraram 600 mil turistas, segundo a PromPeru.

Para a FecomercioSP, diante da dimensão do Brasil com múltiplos destinos com as mais variadas características de turismo, seria natural afirmar que, em termos proporcionais de tamanho e população, é possível imaginar um número até quatro vezes maior que o atual em volume de turistas americanos, o que poderia gerar uma injeção de gastos extras de R$ 6,4 bilhões por ano.

No entanto, sem políticas públicas coerentes e compreensão da dinâmica dos diferentes mercados, esse volume pode não ser atingido, destaca a Entidade. Dessa forma, além da isenção dos vistos para americanos, é necessário pensar em estratégias claras de combate à violência, melhoria das infraestruturas, como rodovias e aeroportos – acelerando as privatizações e concessões –, e também contribuir para a formação de mão de obra qualificada, com aprendizado da língua estrangeira.

O Brasil, ao firmar esse acordo, segue na direção correta de contribuir para o turismo nacional. Para a presidente do Conselho de Turismo, Mariana Aldrigui, “a isenção unilateral beneficia o turismo ao incluir passageiros que decidem por impulso e motivados por promoções. O visto é uma barreira especialmente nesses casos. Outros países com interesses comercial e turístico no Brasil devem ser avaliados, para que se alinhe esse tipo de ação com outras de comércio exterior e parcerias estratégicas para o País”.

Veja também

Inflação na Venezuela ultrapassa 1 milhão por cento03/06 Foto: Agência EFE/Miguel Gutierrez/direitos reservados A inflação na Venezuela ultrapassa mais de 1 milhão por cento, segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI). Milu de Almeida, conselheira das comunidades pela Venezuela, diz que o povo que ganha um salário mínimo não consegue chegar aos produtos e dá um exemplo: "um litro de......
Petrobras aumenta preço da gasolina em 3,5% nas refinarias30/04 A Petrobras informou que o preço médio do litro gasolina nas refinarias vai subir 3,5%, para R$ 2,045, a partir de terça-feira (30). É o maior patamar desde 23 de outubro do ano passado (R$ 2,0639). O preço médio da......
Receita fiscalizará 7 mil contribuintes e quer recuperar R$ 164 bi06/05 Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil A Receita Federal já identificou sete mil contribuintes que serão fiscalizados por sonegação no primeiro semestre de 2019. Entre os setores que estão na mira do Fisco este ano,......

Voltar para Economia