Postado em 14 de Janeiro de 2019 às 10h45

Com previsão de cassação da CNH, nova lei reforça medidas de prevenção e repressão ao contrabando e descaminho.


Condutor condenado por esses crimes em decisão judicial transitada em julgado terá documento de habilitação cassado por 5 anos.

Florianópolis - A lei 13.804, publicada no Diário Oficial da União de sexta-feira (11), dispõe sobre medidas de prevenção e repressão ao contrabando, ao descaminho, ao furto, ao roubo e à receptação, trazendo uma importante alteração no Código de Trânsito Brasileiro: o acréscimo do artigo 278-A.


No caso de contrabando e descaminho, se o infrator se utilizar de um veículo para cometer esses crimes, além de estar sujeito às penas de reclusão de dois a cinco anos (contrabando) e de um a quatro anos (descaminho) já previstas no código penal, estará sujeito também à cassação de sua habilitação para dirigir pelo prazo de cinco anos. Essa nova penalidade será aplicada no momento da condenação judicial transitada em julgado.


Além disso, se o condutor for preso em flagrante delito cometendo esses crimes, poderá ser decretada pelo juiz, em qualquer fase da investigação ou da ação penal, a suspensão da permissão ou da habilitação para dirigir.


Passado o período de cinco anos, o condutor condenado poderá requerer sua reabilitação desde que se submeta a todos os exames necessários à habilitação.


Em 2018, a Receita Federal realizou na 9º Região Fiscal (que abrange os estados de Paraná e Santa Catarina) 426 prisões em flagrante delito pelo cometimento dos crimes de contrabando e descaminho.

Veja também

Melhores momentos do Empresário do Ano 201805/12/18 A Associação Empresarial de Xanxerê (Acix) realizou a entrega do prêmio Empresário do Ano 2018, juntamente com a posse da nova diretoria da entidade. Bruno Bortoluzzi foi eleito o empresário e o novo presidente da Acix......
Saúde de Xanxerê organiza mais um Dia D para comunidade10/05/19 A Secretaria Municipal de Saúde prepara, para o próximo dia 25 de maio (sábado), mais um Dia D de Saúde. Desta vez, o público-alvo são pacientes que não realizaram atendimentos na rede pública há......

Voltar para Geral