Postado em 17 de Maio às 09h51

Crianças falam sobre inclusão e acessibilidade com quem enfrenta o desafio

PORTAL DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina Nesta semana, nos dias 14 e 15, alunos do ensino fundamental do Colégio Integração participaram de uma aula especial sobre inclusão e...

Nesta semana, nos dias 14 e 15, alunos do ensino fundamental do Colégio Integração participaram de uma aula especial sobre inclusão e acessibilidade.

Na terça-feira (14) alunos do 2º e 3º ano do período matutino participaram de um bate-papo com Ivan Durand Junior e na quarta (15) à tarde foi a vez dos alunos dos 3º, 4º e 5º anos, mas desta vez, acompanhados da aluna Clara dos Santos Durand, que estuda na escola e tem paralisia cerebral.

Durand explicou que a iniciativa partiu da escola que está trabalhando os temas nas aulas de filosofia. “A professora Fabiane Padilha me chamou e perguntou se eu poderia promover uma conversa com os alunos que estavam estudando sobre o assunto. Ela sugeriu que uma pessoa que tivesse vivência no assunto poderia enriquecer o aprendizado dos alunos e eu aceitei. Ela então conversou com a direção da escola que decidiu incluir outras turmas”.

Segundo Durand, que é pai da Clara, a possibilidade de falar sobre inclusão e acessibilidade para as crianças dá a elas a percepção de que uma necessidade especial pode acontecer com qualquer pessoa. “Foi muito interessante porque após explicar a situação que vivemos com nossa filha e mostrar que existem vários tipos de necessidades especiais, as crianças começaram a trazer exemplos de pessoas nas suas famílias, como idosos, pessoas com deficiências ou síndromes, pessoas que ficaram temporariamente impossibilitadas em virtude de algum acidente. As crianças começaram a perceber as barreiras estruturais que impedem uma pessoa com deficiência a ter os mesmos direitos que qualquer outra pessoa”.

Durante muito tempo houve preconceito em falar sobre as necessidades especiais ou sobre deficiências, o que, na opinião de Durand, dificultou o tratamento e a possibilidade de desenvolvimento das pessoas. “Eu converso com os médicos, terapeutas e especialistas e percebo que antigamente o preconceito começava dentro de casa. Hoje temos mais facilidade e liberdade para falar sobre o assunto. Em casa falamos abertamente com a Clara e falar com as outras crianças faz com que ela seja vista como uma igual. Com certeza o preconceito restringe as possibilidades e a sociedade precisa entender que inclusão não é apenas participar de um grupo, mas ser tratado como um igual é que faz a diferença. E começar a falar sobre isso cedo, com as crianças, nos dá uma oportunidade de acreditar em um mundo melhor no futuro”.
 

Veja também

Aulas em Marema iniciam em 11 de fevereiro10/01 Logo nos primeiros dias de aula, os alunos receberão do Governo Municipal um kit de material escolar, com itens como lápis, borracha, régua, apontador, caderno, lápis de cor, caderno de caligrafia e desenho. As crianças também receberão uniforme escolar....
Empresário xaxinense tem invenção reconhecida pelo INPI21/08 O dispositivo para boca de lobo criado pelo empreendedor Nelson Stieven, proprietário da empresa Metal Xaxim Metalúrgica, está conquistando cada vez mais espaço no mercado brasileiro. Recentemente, a inovação recebeu......

Voltar para Geral