Amin é solidário à Merisio

E ainda: PDT fecha com Merisio, Aeroporto de Chapecó e muiot mais

Por Marcelo Lula 25/11/2017 - 08:39 hs

Aeroporto
Desde o dia 4 de Julho a Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC), aguarda o envio da documentação técnica do aeroporto de Chapecó, para encaminhar a liberação dos R$ 10 milhões para a ampliação e melhorias do terminal. Caso o documento não seja enviado até o fim deste mês, o recurso será perdido. A questão é que para a União, o aeroporto pertence ao Estado e não ao município, portanto, cabe a Secretaria de Estado da Infraestrutura o encaminhamento da documentação.

Liberação
Ontem eu liguei para o secretário de Estado da Infraestrutura, Luiz Fernando Cardoso, o Vampiro, que explicou que houve uma tramitação obrigatória da documentação do aeroporto de Chapecó, na procuradoria e na direção de transportes, mas, que ontem foi informado pelo diretor, José Carlos Müller, que o documento está pronto devendo chegar até hoje às mãos de Vampiro, que já encaminhará ao secretário de Articulação Nacional, Acélio Casagrande, que fará a entrega à SAC.

Costura trabalhista
O pré-candidato ao Governo do Estado, Gelson Merisio (PSD), segue com a marca de bom articulador, tanto que fechou o apoio do PDT à aliança que ele está trabalhando para construir. Merisio se reuniu com o presidente estadual trabalhista, Manoel Dias, e com o deputado estadual, Rodrigo Minotto, que já havia me dito que estava decidido a apoiar o PSD. O PDT também integra o projeto que reúne o PP, PSB entre outras legendas que apoiam uma candidatura pessedista.

No Sul
De mãos dadas, João Rodrigues (PSD) que também se anunciará pré-candidato a governador, com Júlio Garcia, iniciou ontem e encerra no Sábado (25) um roteiro de visitas no Sul do estado. Rodrigues participará de inaugurações de obras que tiveram recurso de emendas que ele destinou, jogará futebol, visitará Apaes e entregará um caminhão Truck. Porém, o principal motivo da ida de João e Garcia são as reuniões políticas para falar da eleição estadual.

Amin e o PSD
Esta semana o deputado federal, Esperidião Amin (PP), me disse que não se envolverá na questão interna do PSD, mas, que é solidário ao pré-candidato a governador, Gelson Merisio (PSD). Segundo Amin, o pessedista é um aliado no combate ao PMDB. “Ele quer como nós, evitar que o PMDB consiga em Santa Catarina a proeza que conseguiu no Rio de Janeiro, de conseguir cinco mandatos e dar no que deu. Eu preciso dizer no que deu?”, questionou Amin, completando: “Todo dia tem uma novidade no Rio de Janeiro, sempre com o PMDB de protagonista. Como o Merisio é o nosso parceiro na construção de uma alternativa, que pelo menos, represente uma mudança parcial desse rumo, ele é parceiro”, afirmou o progressista.

Sobre JR
Esperidião Amin (Progresssistas) também direcionou a sua fala ao deputado federal, João Rodrigues (PSD), que se lançará pré-candidato ao Governo do Estado. O progressista disse esperar que Rodrigues preserve o mesmo objetivo de Gelson Merisio (PSD) e, não aceite ser vice de Udo Dohler, deixando quebrantar o ânimo. “Mas eu sou apenas um espectador, mas sou torcida de que vença a proposta de não coligar com o PMDB. Santa Catarina não vai resistir ao quinto mandato sob a liderança do PMDB”, afirmou Amin. As declarações  antecederam o encontro que ele teve com Rodrigues e o senador, Paulo Bauer (PSDB) no Congresso Nacional.

Destaque do dia
O estudo do Banco Mundial encomendado pelo ex-ministro do governo Dilma Rousseff (PT), Joaquim Levy, não poderia ter sido mais claro. Um dos graves problemas que tem levado o nosso país a manter a desigualdade e a ineficácia dos serviços públicos é gastar de forma errada. Um exemplo é a Previdência Social, onde 35% do desequilíbrio entre os benefícios pagos e o que se arrecada, vai para os 20% mais ricos da população, enquanto que apenas 18% dos benefícios chegam até os 40% mais pobres. Portanto, uma reforma previdenciária é fundamental para o equilíbrio das contas.

Além disso, é preciso taxar devidamente os mais ricos, mudar o sistema de remuneração dos servidores públicos que em comparação com a iniciativa privada, ganham em média, 60% a mais que o chamado trabalhador contratado via CLT, além de revisar os incentivos fiscais que são importantes, mas, que por muitas vezes são liberados irresponsavelmente, como no caso do Rio de Janeiro que tem suspeita de irregularidades. Já a corrupção, nem precisa falar. É um dos ralos por onde vaza o dinheiro público, é fundamental barrar os corruptos.

Agora, tem a contrapartida e isso incomoda, mas é fundamental para que tenhamos um país equilibrado e desenvolvido. Os programas sociais, por exemplo, precisam ser revistos, pois, até que ponto nós temos hoje, o investimento na recuperação da condição de vida das pessoas no sentido de encaminhá-las para o seu desenvolvimento e a saída da miséria, ou, é um dinheiro gasto de forma ineficaz que as mantém nessa situação?

Outros dois pontos importantes é a Educação e a Saúde. Hoje 65% dos que estudam em universidade pública pertencem a classe alta, justamente por terem estudado em escolas particulares e terem feito os chamados cursinhos e terceirões. Essas pessoas que tem condição, precisam pagar pelo seu estudo, para que os mais pobres também possam estudar. Para isso, seria fundamental acabar com as universidades públicas, torná-las privadas com o governo subsidiando quem realmente não pode pagar. Isso é justiça social.


O mesmo vale para o SUS, onde os mais ricos podem pagar pelas consultas ou planos de saúde, enquanto que o Estado custearia o atendimento aos mais pobres. Portanto, ou mudamos a mentalidade de que tudo tem que ser custeado pela União, ou logo veremos o caos no sistema público. Fora isso, é discurso político populista para ganhar votos.