Saúde do Estado de SC tem dívidas superiores a R$ 700 milhões

Saúde do Estado de SC tem dívidas superiores a R$ 700 milhões

Aumento de ações judiciais contra a Secretaria de Saúde de Santa Catarina, bloqueio de recursos e fila de espera por cirurgias são algumas das causas de uma dívida que supera R$ 700 milhões.

Por Portal DX 07/07/2017 - 11:53 hs

Fila de espera
Pelo menos 60 mil catarinenses esperam na fila para realizar procedimentos cirúrgicos por meio da Secretaria de Saúde do Estado de Santa Catarina. Mas com as dívidas acumulada pela pasta o máximo que o estado pode chegar até o fim do ano é a um terço desta demanda, ou seja, realizar 20 mil atos cirúrgicos através de um repasse aprovado na Assembleia Legislativa.

Audiência Pública
A situação financeira no vermelho em que se encontra a secretaria de Saúde foi objeto de debate em uma audiência pública realizada no dia de ontem (5) na capital. Um dos problemas mais freqüentes expostos pelo  secretário, Vicente Caropreso é o custo elevado com os 18 hospitais públicos do Estado, sendo 13 com administração direta e cinco mantidos por organizações sociais, e o drama com a chamada judicialização da saúde.

Bloqueio de R$ 55 milhões
Em função de decisões judiciais a Secretaria de Saúde teve em dois anos R$ 55 milhões bloqueados, R$ 39 milhões em 2016 e até junho deste ano R$ 16 milhões. Segundo o secretário, diariamente chegam a secretaria pelo menos 60 novas ações judiciais contra a pasta. De 2011 a 2017 estima-se que o Estado gastou com judicialização R$ 1,1 bilhão, sem sombra de dúvidas este valor interfere no orçamento da secretaria.

Dívida acumulada
Não bastasse a demanda da pasta, estima-se que destes R$ 700 milhões de dívida, R$ 165 milhões foram contraídos com prestadores de serviços apenas neste ano. A intenção do governo do estado é que parte dos recursos do Fundam (R$ 200 milhões) sirvam para saldar os principais compromissos, especialmente o pagamento da rede hospitalar filantrópica e pagamento às prefeituras referente ao cofinanciamento de ações.

Cirurgias eletivas
O deputado Fernando Coruja (PMDB) questionou na audiência pública a aplicação de R$ 100 milhões que a Assembleia Legislativa destinou em 2016 ao governo para realização de cirurgias eletivas. Deste valor, o secretário informou que R$ 50 milhões foram pagos aos hospitais e outros R$ 50 milhões foram para a Fonte 100 (Caixa do Estado).

Omissão da União
Se o Estado já sofre com dívidas, falta de orçamento imagina então os municípios que estão na ponta e precisam dar conta da demanda? É sabido que municípios e estados sofrem com a falta de recursos que não são transferidos pelo governo federal. Enquanto a União está longe do cidadão, prefeitos e governadores precisam achar meios para atender a crescente demanda na área da saúde, quando não conseguem, precisam ainda pagar a conta dos inúmeros processos judiciais contra o órgão público.