Alesc realiza sessão em homenagem aos cem anos de nascimento de Ivo Silveira

Alesc realiza sessão em homenagem aos cem anos de nascimento de Ivo Silveira

Por Portal DX 28/03/2018 - 08:07 hs

A passagem do centenário de nascimento do ex-governador catarinense Ivo Silveira foi celebrada na noite desta segunda-feira (26) com uma sessão especial promovida na Assembleia Legislativa. A solenidade foi proposta pela deputada Dirce Heiderscheidt (MDB) e acompanhada por diversas lideranças políticas, representantes de órgãos públicos, familiares e antigos amigos de Silveira.

A sessão foi aberta com um vídeo relembrando as principais passagens da longa trajetória política de Silveira, na qual figuram diversos cargos na administração pública, tais como prefeito de Palhoça - sua cidade natal - quatro mandatos como deputado estadual (nos quais foi presidente da Alesc em três oportunidades), as eleição para governador do Estado e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado.

“Quando um homem é lembrado depois de sua morte, quando sua família e amigos vêm a esta casa, a Assembleia Legislativa, para reverenciar sua memória no dia em que se comemora o centenário do seu nascimento, é porque deixou um caminho de fé no futuro, pavimentado por atos e gestos que marcaram as pessoas que o conheceram”, disse Dirce Heiderscheidt da tribuna.

Para a parlamentar, além da habilidade política e  inteligência, Silveira tinha como grande característica a sensibilidade no trato com as pessoas. “Mesmo entre os adversários Ivo Silveira sempre foi cidadão respeitoso, íntegro e de bem. Uma pessoa que se relacionava com o próximo de forma fraterna e isso é condição devemos valorizar mais do que tudo em um homem ou uma mulher que opta pela carreira política.”

A homenagem, prestada pela Assembleia Legislativa na forma de uma placa, foi entregue aos quatro filhos do ex-governador: Elisabete Silveira Brandalise, Ivo Silveira Filho, Renato Silveira e Carlos Roberto Silveira.

Na sequência, Elisabete fez um discurso emocionado, no qual traçou um panorama da trajetória do político sob o ponto de vista do seu núcleo familiar. De acordo com ela, conforme o pai ia se destacando na vida pública, os inúmeros compromissos profissionais acabaram por afetar o tempo de convívio da família, o que os levou a buscar formas criativas de lidar com a situação.  “Nos fins de semana nossa mãe fazia o almoço para estarmos todos juntos, convivermos enquanto família. Mas, se por acaso ele tivesse um compromisso com seus eleitores nos distritos de Palhoça, como batizados, casamentos, festas locais, íamos todos. Desta forma acabamos participando mais da sua família política e fazendo amizade com todos os seus auxiliares políticos.”

Em outro ponto, ela afirmou que a família sempre precisou se moldar às vicissitudes da vida atribulada de Silveira, como na mudança para a residência oficial do governador em Florianópolis, espaçosa e cheia de empregados, o que teria impressionado os filhos pequenos. “Estávamos morando lá há alguns meses e de repente e ele nos chamou para uma conversa. Ainda recordo o que ele falou. Que a vida ali era passageira e que nós não éramos filhos de governador, mas sim filhos de Ivo Silveira e como tal, esse deveria continuar a ser o nosso comportamento.”

Elisabete também ressaltou a participação da mãe, Zilda Luchi, na gestão de Silveira à frente do Estado. “Nossa mãe muito colaborou para obras essenciais e com várias entidades. Doava roupas para recém-nascidos, muitas feitas por ela mesma. Dedicou-se a causas beneficentes, as rendeiras da Lagoa da Conceição e participava das inaugurações das obras do seu esposo.”

Ela também recordou a vida simples que Silveira manteve após deixar a vida pública e o modo sereno com que encarou seus últimos dias de vida, após ser diagnosticado com mieloma. Ao final, ela resumiu, nas palavras de Armando Calil Bullos, a forma com que o pai conduziu a vida. “Um homem sem medo de fazer o bem; sem coragem de fazer o mal.”

Lançamento de livro
Ainda durante a sessão foi lançado o "Ivo Silveira, Passos do Estadista", de autoria de Celestino Sachet. Presente ao evento, o autor pontuou as principais obras e ações do político palhocense nos seus 62 meses como governador do Estado.

Entre elas, disse, a pavimentação de cerca de 150 quilômetros de estradas, a construção de três mil salas de aula, de 11 ginásios de esportes, de 8.300 quilômetros de linhas e redes de energia elétrica, das sedes da Alesc e da Imprensa Oficial, a  implantação da Companhia Telefônica de Santa Catarina (Cotesc), a instituição do primeiro termo estadual da educação e o início dos estudos para a construção da atual ponte Colombo Sales, em Florianópolis.

Tamanhas realizações, disse Sachet, só foram possíveis à época devido a forma com que Silveira conduzia e moldava suas políticas, sem distinções partidárias  e sempre voltadas ao bem-estar da comunidade. “Para ele, os homens públicos quando encaram a aventura de galgar posições, não podem esquecer daqueles  que lhes acompanham o pensamento político, lembrando também daqueles que divergindo da sua orientação político-partidária desejam também o progresso da sua terra.”

Já Mauri Luiz Heerdt, reitor da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), afirmou que, como governador, Ivo Silveira contribuiu ativamente para que o Estado liberasse os recursos necessários para que a instituição surgisse.

Ele também falou da sua satisfação como reitor em ter contribuído para que a obra "Ivo Silveira, Passos do Estadista", de 204 páginas, fosse editada pela Unisul. “Por tudo isso, essa marca Ivo Silveira é também da Unisul e faz parte da nossa identidade. Muito obrigado por nos permitirem realizar uma publicação sobre um personagem tão ilustre da nossa história.”

A sessão foi encerrada com as palavras do 1o vice-presidente do Legislativo estadual, deputado Silvio Dreveck (PP). “Fica aqui o nosso reconhecimento, em nome da Assembleia Legislativa, em nome todos os parlamentares, a toda família desse homem de grande espírito público, que deixa esse extraordinário legado para todos nós catarinenses. O nosso muito obrigado.”

Cronologia de Ivo Silveira

  • 1918 – Nascimento em 26 de março, na cidade de Palhoça, Santa Catarina;
  • 1934 – Formatura na Escola Complementar Wenceslau Bueno;
  • 1940 – Nomeado em 28 de junho adjunto do promotor público da Comarca de Palhoça;
  • 1943 – Nomeado em 16 de novembro contador da prefeitura de Palhoça;
  • 1944 – Casa-se com Zilda Luchi em 8 de dezembro - com quem teve os filhos Ivo, Elisabete, Renato e Carlos Roberto;
  • 1945 – Bacharelado em Direito em 22 de dezembro, pela Faculdade de Direito de Santa Catarina;
  • 1946 – Nomeado em 12 de junho delegado adjunto da Delegacia de Ordem Política e Social;
  • 1947 – Nomeado em 25 de junho para o cargo de consultor jurídico adjunto do Estado;
  • 1947 – Eleito em 22 de novembro prefeito municipal de Palhoça;
  • 1950 – Nomeado em 26 de dezembro consultor jurídico do Estado;
  • 1950 – Eleito deputado estadual à Assembleia Legislativa de Santa Catarina;
  • 1952 – Líder da oposição na Assembleia Legislativa;
  • 1954 – É reeleito deputado estadual à Assembleia Legislativa de Santa Catarina;
  • 1958 – Novamente eleito deputado estadual à Assembleia Legislativa de Santa Catarina;
  • 1961 – Líder do governo Celso Ramos (PSD) na Assembleia;
  • 1962 – Novamente eleito deputado estadual à Assembleia Legislativa de Santa Catarina;
  • 1962 – Líder do governo Celso Ramos (PSD) na Assembleia;
  • 1963 – Eleito presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina;
  • 1964 – Reeleito presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina;
  • 1964 – Eleito vice-presidente da União Parlamentar Interestadual;
  • 1965 – Eleito em 3 de outubro governador do Estado de Santa Catarina;
  • 1966 – Cassação em 16 de julho do vice-governador Francisco Dall’Igna;
  • 1967 – Eleito presidente do Conselho de Desenvolvimento do Extremo Sul (Codesul);
  • 1971 – Exonerado em 20 de outubro do cargo de consultor jurídico do Estado;
  • 1971 – Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina;
  • 1974 – Disputa em 3 de outubro a eleição para o Senado da República;
  • 1982 – Secretário dos Negócios da Fazenda nos governos de Jorge Bornhausen em Henrique Córdova;
  • 2007 – Falecimento em Florianópolis, no dia 2 de agosto.

Ivo Silveira possui 49 títulos de cidadão honorário ofertados por municípios de todas as regiões do estado e 26 diplomas de sócio benemérito, honra ao mérito, entre outros títulos. Em seu currículo também figuram diversas outros títulos e honrarias, entre os quais se destacam a Medalha Anita Garibaldi (categoria ouro), a Medalha do Mérito da Academia Catarinense de Letras e a Medalha do Pacificador.

Alexandre Back
AGÊNCIA AL