Francismar Martins: PP é a Bola da Vez em Xaxim

Francismar Martins: PP é a Bola da Vez em Xaxim

Por Portal DX 18/04/2018 - 15:52 hs

PP – “a bola da vez”
O bom desempenho do Partido Progressistas de Xaxim no último pleito fez com que o PP seja hoje o partido mais assediado pelas demais forças políticas, especialmente o PSD e MDB. Todos sabemos que se o PP não encabeçar mais uma vez a chamada “Terceira Via, será um partido que pode definir o resultado das eleições, tanto para um lado como para outro. Depois da última eleição, os progressistas passam de mero coadjuvante para ser um dos personagens principais do pleito.

Fábio Cordenonsi
A expressiva votação de Fábio Cordenonsi também o gabarita por ser um dos possíveis candidatos a majoritária. Fábio participou de seu primeiro pleito e por pouco não deu um susto nas duas grandes forças políticas de Xaxim. O jovem empresário, com certeza, será uma peça chave no próximo pleito, logicamente que dependerá dele se manter na política, mas todas as lideranças políticas de Xaxim sabem da importância do nome dele para o cenário político local.

MDB
O MDB ao que tudo indica deve correr com o ex-vereador e atual Secretário Executivo da Agencia de Desenvolvimento Regional de Xanxerê, Ideraldo Sorgatto. Se não fosse, ele não seria o escolhido pelo partido para gerenciar a ADR. Para o MDB, o PP é imprescindível para uma vitória nas urnas a ponto de algumas lideranças emedebistas considerarem abrir mão da cabeça de chapa numa possível aliança com os progressistas.

Tradição política
É de conhecimento de todos que o MDB tem seus votos sagrados em Xaxim, especialmente pela tradição política e uma aliança com o PP aumentaria consideravelmente suas chances de vitória. Resta saber se o casamento MDB e PP será bem aceito pelos eleitores que apostaram na “Terceira Via” no último pleito.

PSD
Os pessedistas são governo e provável que vão trabalhar com o nome de Adriano Bortolanza para a sucessão do governo. Bortolanza sabe da importância do PP, pois mesmo estando no governo, é preciso firmar alianças que deem retorno. Todo cuidado é pouco quando se disputa com um adversário forte e com tradição política, como é o caso do MDB, prova disso foi o desempenho nas urnas no último pleito, mesmo realizando um governo desejável.