Merisio cria canal para combater Fake News

Pré-candidato a governador de SC é pioneiro entre os postulantes ao criar estratégia nesse tema

Por Portal DX 19/04/2018 - 15:37 hs

 

Desde toda a polêmica da propagação de notícias falsas, as chamadas “fake news”, durante a campanha de Donald Trump a presidente dos Estados Unidos, a preocupação em esclarecer o que é fato e o que é boato tem estado cada vez em maior evidência na política. Aqui em Santa Catarina, o deputado Gelson Merisio, pré-candidato do PSD a governador do Estado, foi o primeiro a tomar uma ação nesse sentido para as eleições de 2018.

Merisio tem sido vítima dessas notícias falsas com frequência, mesmo ainda a meses de distância do período eleitoral. Nesta semana, Merisio anunciou um canal de Whatsapp direto para qualquer pessoa entrar em contato com ele e sua equipe, para quem tiver dúvida se alguma informação é real, ou quiser cobrar resposta de algum boato ou notícia. “Contra o mal da mentira, o único antídoto é a verdade. Por isso a ideia de termos um canal direto para explicarmos tudo para quem receber essas notícias falsas”, afirma Merisio.

Em paralelo, sua equipe também está preparando um site para disponibilizar os fatos verídicos em contraponto às “fake news”. Merisio defende que a iniciativa pode servir ainda para aumentar a conscientização sobre o perigo de multiplicar informação sem saber se é verdade. Ou seja, antes de compartilhar, procure saber se a notícia é verdadeira.

Como funciona
Para entrar em contato com a equipe do pré-candidato e tirar suas dúvidas, basta enviar uma mensagem para o número de Whatsapp (48) 99605-8924.

Tribunal Eleitoral de olho nas Fake News
O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC) Ricardo Roesler afirmou que o grande desafio destas eleições serão as notícias falsas sobre partidos e candidatos. “É um elemento novo nessa eleição. Estamos todos aprendendo com isso”, disse. Roesler informou que o TSE está oferecendo ferramentas que permitem encontrar a origem das notícias falsas por meio do IP do computador e que há ainda convênios com Google, Facebook e Instagram, redes onde são compartilhadas as fake news, para identificar os autores.

Já em âmbito nacional, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Ministério Público e a Polícia Federal formaram um Conselho Consultivo e preparam ações para coibir e punir a prática das notícias falsas. Não só nos Estados Unidos, mas as fake News foram um fator presente também nas eleições da Argentina e Colômbia recentemente.