Após 09 meses de investigação, elucida homicídio praticado em Chapecó

Polícia Civil, através da DIC, elucidou um homicídio ocorrido em julho de 2017, no Bairro Efapi

Por Portal DX 08/05/2018 - 08:22 hs

A Polícia Civil de Chapecó, através da sua Divisão de Investigação Criminal (DIC), depois de 09 (nove) meses de investigação, logrou êxito em identificar a autoria da morte do jovem LUCAS DA SILVA, de 20 anos de idade, ocorrido no dia 06/07/2017, no Bairro Efapi, na Cidade de Chapecó.

O jovem foi encontrado na Rua Izeo Rosa, já sem vida, na manhã do dia 07/07/2017, com dois ferimentos oriundos de disparos de arma de fogo, cujos projéteis atingiram o tórax posterior (no lado direito) e a cabeça (no osso occipital).

No local, não havia testemunhas e nem câmeras de segurança que tivessem flagrado a ação delitiva. O aparelho de telefone celular encontrado junto ao corpo da vítima também foi analisado, porém os policiais não encontraram nenhum elemento que pudesse indicar a autoria, o que dificultou sobremaneira a investigação. Dessa forma, buscou-se conhecer a vida social da vítima, identificando-se amigos e desafetos, os quais prestaram depoimentos nos autos do Inquérito Policial.

Na última sexta-feira (27/04), de posse de novas informações, contrariando toda a linha de investigação até então adotada, os policiais chegaram ao nome de um adolescente, hoje com 17 anos de idade, que, acompanhado de seu responsável legal, resolveu por confessar a prática do ato infracional análogo ao crime de homicídio. O adolescente, que possui um vasto histórico de passagens policiais, afirmou ter sido agredido fisicamente pela vítima há cerca de 02 (dois) anos, ao passo que, no dia do homicídio, deparou-se com ela em um local ermo e, por estar portando um revólver, friamente resolveu fazer justiça com as próprias mãos.

Com a descoberta do autor deste assassinato, dos 38 homicídios registrados na cidade de Chapecó no ano de 2017, somente a morte de JOÃO GABRIEL DE OLIVEIRA, de 21 anos de idade, ocorrido no dia 21/09, ainda é objeto de investigação por parte da DIC. Logo, o índice de resolução no ano de 2017 foi de praticamente 100% dos casos envolvendo mortes violentas.