BRF de Concórdia dá férias para 1,7 mil e fechará 100 vagas

O objetivo é ajustar o processo produtivo que ficou prejudicado durante a greve dos caminhoneiros

Por Portal DX 03/07/2018 - 08:08 hs

Cerca de 1,7 mil funcionários da BRF de Concórdia entraram em férias coletivas nesta segunda-feira, por um período de duas semanas, segundo o colunista do Diário Catarinense, Darci Debona. Com isso 280 mil frangos deixam de ser abatidos por dia, sendo quase três milhões de aves no total. O objetivo é ajustar o processo produtivo que ficou prejudicado durante a greve dos caminhoneiros. A unidade também deve demitir cerca de 100 funcionários de um total de 5,3 mil e não abrir outras 100 vagas que normalmente abre no início do segundo semestre para a produção das linhas de final de ano. A redução das vagas faz parte de um ajuste da empresa que prevê redução de 5% do número de funcionários, que passam e 80 mil em todo o Brasil. Em Santa Catarina são 23 mil.

A redução foi um dos assuntos que foi tratado durante a negociação do acordo salarial entre a empresa e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Concórdia e Região (Sintrial), realizada nesta segunda-feira.

– Avaliamos que essa redução terá um impacto menor em Concórdia pois é uma planta bem diversificada. Pedimos que os desligamentos sejam de aposentados e funcionários que desejem sair. A gente espera que a situação melhore e que depois a empresa volte a contratar – afirmou o presidente do Sintrial, Jair Baller.

Situação de Chapecó é mais complexa

Enquanto em Concórdia as demissões devem atingir 2% do efetivo em Chapecó a situação é bem mais preocupante, pois além das 350 demissões previstas no abate de perus, outros 1,4 mil funcionários entrem em férias coletivas no próximo dia 30, por um mês, e depois devem entrar no sistema de “lay-off”, que é a suspensão temporária do contrato de trabalho, por um mês. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Carnes e Derivados de Chapecó (Sintracarnes) ainda querem negociar com a direção da empresa para reduzir o impacto.

Nesta terça-feira também tem uma reunião com representantes dos avicultores. O presidente do Sindicato dos Criadores de Aves de Santa Catarina (Sincravesc), Valdemar Kovaleski, disse que o objetivo é ver o cronograma da empresa antes de tomar uma decisão. A previsão de que seja mantido apenas o abate de perus, que é de 30 mil aves por dia, e suspender por seis meses o abate de frangos, que é de 220 mil animais por dia. São cerca de 900 avicultores ligados à unidade, sendo que a maioria vai ficar sem produção. A empresa pretende pagar uma taxa de manutenção de R$ 88 por aviário parado por dia.

 *Diário Catarinense