Postado em 05 de Abril às 09h45

Xanxerense suspeita da morte do marido alega legítima defesa

Durante a briga teria ocorrido agressão mútua, tanto que a Eliane também apresentou ferimentos e hematomas.

União da Vitória - A xanxerense Eliane Narcizo Giacomelli, 33 anos, suspeita de matar o marido na terça-feira (2), se apresentou na tarde de quinta-feira (4) na Delegacia de Polícia de União da Vitória (4ª SDP), no Paraná. Ela estava em Xanxerê e chegou acompanhada de seu advogado, Gilmar Pereira.

Conforme o delegado chefe, Douglas Possebon Freitas, Eliane disse que, na noite do crime, teve uma discussão com Jamil José Sokolek, 36 anos, e que teria sido agredida fisicamente e arrastada do quarto para a sala de casa. Foi quando apanhou uma faca, que estava sobre um móvel, e golpeou o homem, fugindo logo após com seu filho de quatro anos.

Durante a briga teria ocorrido agressão mútua, tanto que a Eliane também apresentou ferimentos e hematomas. No entanto, ela disse que, apesar das seis facadas, não tinha certeza se Jamil estava morto. Ainda segundo o depoimento de Eliane, Jamil era ciumento e não aceitava seu filho, fruto de um relacionamento anterior. Disse também que parou de trabalhar como caminhoneira por imposição do marido.

Após o crime, a mulher levou o filho para a casa de um amigo, pediu que comunicasse a polícia e fugiu para Xanxerê. O delegado disse que ela vai responder por homicídio simples em liberdade por ter se apresentado, ter domicílio e ocupação, e não possuir antecedentes criminais.

(fonte: Verde Vale)
 

Veja também

Pai é condenado por torturar, estuprar e engravidar a filha20/11/18Homem foi sentenciado a 57 anos de prisão; adolescente vivia em cárcere privado. Um homem de 38 anos foi condenado a 57 anos de prisão em regime fechado por estupro qualificado, tortura e ameaça contra a própria filha. Ele não vai poder recorrer em liberdade. A sentença é da Vara Única de Herval D'Oeste, no Oeste catarinense. A vítima sofria os abusos desde que era criança. A denúncia do caso foi feita pelo Conselho......

Voltar para Polícia