Postado em 28 de Novembro às 10h46

Vice-prefeito publica livros mostrando como atingir o sucesso no campo político

Daniel Hippler iniciou como professor de teatro, foi vereador e hoje é vice-prefeito de São Lourenço do Oeste, com dois livros editados, oferece curso online para futuros candidatos.

  • Portal DX - O melhor da informação da Região Oeste de Santa Catarina - Daniel Hippler visitou a redação do jornal Folha Regional, em Xanxerê e presenteou a Diretora Comercial Lisiane Zanotto com um exemplar de seu livro

Por Joimara S. Camilotti

São Lourenço do Oeste – De apaixonado pelo teatro ao gosto pela política. Daniel Rodrigo Hippler, já tinha na veia o dom da política, ele conta que o pai não estava no dia de seu nascimento, por estar participando de uma convenção do Partido Progressista em Florianópolis. De lá para cá, Daniel que era professor de teatro na cidade, resolveu disputar um cargo de autarquia municipal, onde eram eleitas pessoas para reger os recursos da Cultura e do Esporte. Bem cotado pela sociedade, um colega político lhe instigou a entrar para um cargo e foi assim que Daniel começou.

De vereador a vice
Daniel iniciou na política em 2008 quando se elegeu a vereador. Pelo PP, ele fez uma campanha de 90 dias, visitou casa por casa, inclusive a de seus adversários, acreditava que a vitória poderia não chegar, afinal, estava disputando pela primeira vez com concorrentes com vasto histórico na política do município. No entanto, Daniel conquistou a vaga de vereador, conseguiu ser presidente da Câmara por dois anos e não parou mais. Passou a discordar do governo, o qual ele ajudou a eleger e fazer oposição. A notoriedade ficou mais evidenciada e assim seguiu em frente, colocou seu nome a vice-prefeito em uma coligação entre PP e PT, sendo que o MDB, partido que também disputava levava vantagem. A vitória chegou em 2013, ele virou vice-prefeito, seguindo o trabalho com a liberdade que o prefeito lhe dava, porém em 2014 recebeu o convite para ser diretor do Ministério das Cidades, em Brasília, aceitou, abdicando de receber o salário de vice. “Em Brasília consegui recursos para o município, asfalto, ginásio, habitação. Foram R$ 11 milhões em obras”, disse.

De vice a coordenar nova campanha
Após voltar de Brasília, o clima já não era mais o mesmo na Prefeitura, e Daniel pediu para que o prefeito em janeiro de 2016 exonerasse todos do partido. O político então, já pensava na próxima eleição e tinha duas oportunidades ser candidato só para ter vereadores ou escolher um lado para apoiar. “Ninguém queria apoiar nenhum, ficamos chapa branca, mas uma pesquisa mostrou a rejeição dos dois nomes que disputavam e aí vimos uma chance”.
Daniel foi em busca de seu amigo e companheiro do legislativo, o qual ele havia sido contrário no último pleito. Rafael Caleffi não tinha intenção de voltar para a política, mas aceitou. O PP entrou como vice e o MDB, por ter mais filiados e ser forte no município, foi de prefeito. Ambos venceram e estão a frente do município. 

O livro
Toda sua trajetória política, os bastidores do poder, as amarras que resultam em vitórias, além de dicas do que dá certo e o que não pode ser feito, fazem parte de dois livros já editados por Daniel.
O primeiro foi lançado em 2013, onde ele fez uma compilação de seus artigos publicados em um jornal local, sobre o trabalho no legislativo e como foi a caminhada até ser eleito como vereador intitulado “O Segredo da Política”, que pode ser acessado via internet. Agora, ele já está com o segundo exemplar “Eu na Política”, onde conta como foi ingressar no executivo, sua passagem por Brasília, dicas de campanha, o que mudou e porque as pessoas perdem uma eleição. “Abri o meu coração, vejo esse livro como se concluísse uma etapa da minha vida”.

Próximos passos
Agora o político quer criar um curso on-line, voltado a interessados em política. “Já tenho o primeiro modulo pronto “Eu na Política para iniciantes”, que é um bê-a-bá, a preparação que precisa ser um ano antes do pleito, conto como eu fiz, o que acertei, o que não deve-se fazer. É um curso bem bacana, estou pensando em nível nacional e a ideia é vender o programa e o livro doar, quero disseminar a sementinha, e isso economizaria muito para quem pensa em ser político”, finalizou. 

Veja também

Voltar para Política